Projeto de Educação Ambiental, Saúde e Qualidade de Vida

A ação educativa tem como princípio básico a formação integral e harmoniosa, e busca incentivar o espírito reflexivo da criança e do jovem, preparando-os para a construção da consciência crítica do adulto, para que possam aprender a ser e conviver na sociedade como sujeitos conscientes, participativos, com discernimento entre o bem e o mal, correto e incorreto.

O Projeto de EducaçÃo Ambiental, Saúde e Qualidade de Vida nas Escolas Públicas atenderá 68 escolas estaduais de Piracicaba e região com seus 35 mil alunos, nas quais serão desenvolvidas atividades didáticas que envolvem dois grandes temas:

  • 1) Educação Ambiental, onde serão desenvolvidos conteúdos ligados à estruturação de hortas orgânicas, jardinagem, plantio de árvores, compostagem, coleta seletiva, reuso de água e nascentes urbanas;
  • 2) Estilo de Vida Saudável, em que serão abordadas questões para melhora da saúde e prevenção de doenças, que envolvem principalmente a boa alimentação e a atividade física regular.

1. EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Por meio da educação ambiental os alunos entendem que são parte de um todo e que suas atitudes podem impactar positivamente na preservação ou negativamente na degradação do meio ambiente.

A ação educativa contribui para a formação de cidadãos conscientes sobre a importância da preservação do meio ambiente e aptos a tomar decisões coletivas sobre questões ambientais necessárias para o desenvolvimento de uma sociedade sustentável.

A formação e a sedimentação de uma consciência ecológica junto aos alunos e comunidades locais têm como objetivos realizar transformações socioambientais e despertar a pró-atividade para a revitalização e conservação do meio ambiente.


1.1. Horta

Esta é uma atividade em que desenvolvemos a teoria e a prática sobre a utilização de espaços para produzir hortaliças através de técnicas simples com o uso de recursos locais.

Desta maneira, a criança aprende na prática que pode produzir parte do próprio alimento e torna-se um agente multiplicador junto a família e a comunidade em que vive.

1.2. Jardinagem

O ambiente escolar é lugar de ampliar, aprender, comparar, criar, discutir ideias e se relacionar. Para que todos os objetivos sejam alcançados com sucesso, há necessidade que este lugar, de tantas perspectivas, seja um ambiente agradável. Portanto, ter um espaço de lazer que traga inspiração e conforto é totalmente justificável, e o jardim pode cumprir este papel dentro da escola.

A jardinagem na escola é mais uma etapa do projeto, que tem como objetivo demonstrar aos alunos que o jardim tem grande importância em uma determinada área, pois transforma espaços existentes ociosos, muitas vezes tomados por lixo, em um local agradável e acolhedor.


1.3. Plantio de Árvores

O plantio de árvores nas escolas tem como objetivos promover a sensibilização e a conscientização ambiental, desenvolver o senso crítico dos alunos quanto à atual situação do meio ambiente, despertar o interesse em conhecer as espécies de árvores nativas da região e quais possuem representação histórica no município, incentivar o desenvolvimento de programas de arborização urbana nos espaços públicos e privados do município.

Para atingir os objetivos nas escolas, serão adotados métodos de aprendizagem interativa, na qual os próprios alunos serão os protagonistas no processo educativo. Serão priorizadas as atividades envolventes e agradáveis para tornar o aprendizado atrativo e prazeroso.


1.4. Compostagem

Durante o desenvolvimento das atividades serão debatidas as principais questões em torno do tema dos resíduos em nossa sociedade bem como aplicação de técnicas da compostagem, que transforma os resíduos orgânicos em adubo, através de processos biológicos controlados.

Além da teoria sobre os diferentes modelos e funcionamento, o conhecimento é colocado em prática através da construção de uma composteira nas dependências da escola, capaz de transformar os restos de alimentos em adubo, de forma controlada e segura.


1.5. Coleta Seletiva

A proposta da coleta seletiva do lixo escolar é uma ação educativa que visa investir numa mudança de mentalidade como um elo para trabalhar a transformação da consciência ambiental do aluno tornando-os difusores da conscientização da pré-seleção dos resíduos em suas residências, o que levará a diminuição da destinação de resíduos para aterros sanitários.

No processo de ensino-aprendizado, serão abordadas questões para conscientizar o aluno da importância de adequar a conduta como consumidores e procurar utilizar a regra dos cinco 'érres' (reduzir, repensar, reaproveitar, reciclar e recusar) para tornar o mundo mais limpo através da destinação correta de cada resíduo descartado.


1.6. Reuso de Água

Atualmente o alto consumo de água, a falta de conscientização das pessoas e o uso de recursos naturais do meio ambiente agravam a preocupação com a escassez de água potável em todo o planeta.

Assim a escola passa a ser considerada um espaço propicio ao desenvolvimento de ações voltadas para a educação ambiental, uma vez que pode promover nos educandos uma busca continua pelo equilíbrio entre ser humano e natureza, e instiga-los a disseminar este conhecimento voltado a sustentabilidade.


1.7. Nascentes Urbanas

A educação ambiental é de suma importância para ações que envolvem a preservação e recuperação de nascentes, pois o aluno ao adquirir a conscientização, torna-se um agente multiplicador e desperta na população local a pró-atividade com ações em diferentes áreas para a revitalização e conservação das nascentes.

Para atingir seus objetivos serão abordados temas ligados ao desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, que envolvem aspectos ecológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos.


2. ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL

Além da parte ecológica, o projeto visa promover ações para estimular a alimentação saudável e a prática de atividade física regular, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos alunos, familiares e da comunidade.

Na atualidade, a obesidade infantil é um sério problema de saúde pública, que vem aumentando em todas as camadas sociais da população brasileira, cuja principal causa é o estilo de vida das crianças.

A má alimentação, devido a ingestão excessiva de alimentos industrializados hipercalóricos com poucos nutrientes aliada falta de atividade física, que ocorre principalmente pela carência de espaços públicos adequados com segurança para prática e dedicação de muito tempo aos entretenimentos ligados a mídias eletrônicas, como vídeo game, computador e smartphone, levam a população infantil a desenvolverem a obesidade e doenças associadas, como o diabetes e hipertensão arterial.

Este cenário têm consequências diretas com o desenvolvimento de doenças e traz prejuízos à saúde atual dos estudantes e futura, quando se tornarem adultos. Portanto, prevenir a obesidade infantil significa diminuir, de uma forma racional e menos onerosa, a incidência da obesidade e doenças crônico-degenerativas.


2.1. Alimentação Saudável

Os programas de educação nutricional devem ir além das atividades em sala de aula. É fundamental que a escolas apoiem iniciativas de adequação dos alimentos fornecidos e disponibilizados paras as crianças na merenda escolar, nas cantinas e nos lanches trazidos de casa para adequar a quantidade e qualidade dos nutrientes.

Com objetivo de propagar a informação da importância da boa alimentação para a saúde, o projeto não se restringirá ao ensino-aprendizado em ambiente escolar e promoverá as ações voltadas para as relações lar-escola-comunidade, como por exemplo, incentivar as famílias consumirem os produtos das hortas cultivados pelos alunos.

2.2. Atividade Física Regular

A contribuição da atividade física para a saúde está relacionada com diminuição de fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como o infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral, que são as doenças que mais matam no mundo.

Existe uma grande preocupação sobre a redução dos níveis de atividade física entre crianças e jovens, pois atualmente existe um aumento acentuado do tempo gasto assistindo televisão, jogos de computadores e videogame, que eleva o índice de sedentarismo e por consequências risco de várias doenças, dentre elas a obesidade.

Grande parte da educação física escolar é realizada apenas duas vezes por semana, com atenção especial aos esportes coletivos, o que é pouco quando a pretensão é melhorar a saúde e diminuir riscos de doenças. Por este motivo, deve ser incentivada a atividade física diária, priorizando principalmente jogos e brincadeiras lúdicas nos intervalos, entrada e saída das escolas. Nas escolas em tempo integral, estas atividades podem ser ainda mais exploradas e trazer diversos benefícios para a população estudantil.

2.3. Avaliação da Composição Corporal

Através das medidas do peso, altura e dobras cutâneas, teremos importantes resultados, como o índice de massa corpórea, percentual de gordura corporal e massa magra.

Estes parâmetros servirão para traçar um perfil de cada criança em relação ao peso e altura para o gênero e faixa etária bem como as quantidades de gordura e músculos no corpo. Com isso, será possível determinar quais estudantes se encontram dentro do esperado, que apresentam déficit nutricional e quais estão com sobrepeso ou obesidade.


Parceria

Para desenvolvimento do projeto de EducaçÃo Ambiental, Saúde e Qualidade de Vida nas Escolas Públicas, o Instituto Terra Vida firmou importantes parcerias com a Diretoria de Ensino – Região de Piracicaba e Secretaria de Defesa do Meio Ambiente de Piracicaba (SEDEMA).